WitchTok: a ascensão do ocultismo nas mídias sociais tem paralelos assustadores com o século 16

É 1h30 da manhã e estou prestes a assistir a um duelo entre magos. Um é um “demonolador”, uma palavra que nunca ouvi antes, alguém que afirma adorar demônios e pode pedir-lhes em troca de conhecimento ou poder. O outro se descreve como um “mago salomônico” e afirma ser capaz de comandar demônios para cumprir suas ordens, como algumas tradições judaicas e islâmicas acreditam do rei Salomão, que governou Israel no século 10 aC.

Descobri esse debate pela primeira vez porque, ao estudar livros de magia do século XVI atribuídos a Salomão, descobri, para meu espanto, que a “magia salomônica” ainda está viva e bem hoje, e crescendo em popularidade. O Twitter havia me sugerido que eu poderia estar interessado em uma conta chamada “Magia Salomônica”, e alguns cliques depois eu me vi imerso em uma vasta comunidade online de jovens ocultistas, twittando e retuitando as últimas teorias e controvérsias, e usando o TikTok para compartilhar seu ofício.

Para minha maior perplexidade, parecia que a tradição da magia salomônica havia recentemente enfrentado acusações de que sua abordagem estrita e autoritária ao comando de demônios equivalia a uma forma de abuso, semelhante à violência doméstica. Como eu havia anotado em meu diário um debate público ao qual queria participar por pura curiosidade, parecia surpreendente perguntar a mim mesmo se a magia salomônica, a mesma encontrada em livros de necromancia de centenas de anos, estava no mercado. beira do cancelamento em 2021.

Aos 28 anos, estou um pouco velho demais para estar familiarizado com a plataforma Twitch, usada principalmente para transmissão de vídeo ao vivo, mas hoje à noite consegui fazê-la funcionar para esse debate em particular. Como ateu, provavelmente sou minoria, embora não seja o único britânico a aparecer, apesar de ser uma hora tão ímpia deste lado da lagoa. A caixa de bate-papo está zumbindo enquanto ocultistas de vários tipos chegam para ouvir os argumentos. Quer saber mais sobre o ocultismo, acesse https://oesoterico.com.br/

Minha mãe odiaria isso, não posso deixar de pensar comigo mesmo. Ela nem me deixou ler Harry Potter.

Quando as pessoas me perguntam o que eu faço, é sempre divertido dizer a elas: “Eu estudo magia na Universidade de Cambridge”. É tecnicamente verdade. Estou pesquisando a representação da magia no início da era moderna e estou interessado nas maneiras pelas quais o conhecimento perigoso, proibido ou “oculto” foi teorizado por Shakespeare e seus contemporâneos. Minha pesquisa combina meu fascínio pelos mecanismos de crença com meu amor por contar histórias e pelo palco.

Suspender a descrença é o meu forte, mas realmente acreditar é algo em que nunca fui muito bom. A história da magia me fascina porque é uma história de pessoas – de falhas e fraquezas humanas, vaidades, esperanças e necessidades – e não por causa de qualquer investimento genuíno no esotérico. É por isso que estou aqui para ouvir jovens articulados e simpáticos de todo o mundo discutindo teorias do conhecimento e do sobrenatural – crenças às quais eu mesmo não posso concordar.

Ainda mais surpreendente, esses ocultistas da Geração Z, com seus seguidores substanciais no Twitter e no TikTok, estão prestes a debater uma forma de magia que está no centro da minha pesquisa sobre a Inglaterra de Shakespeare.

A ascensão do WitchTok

Embora os vídeos mais  assistidos do TikTok possam parecer estúpidos para quem não gosta de dublar músicas populares de adolescentes, algumas subculturas surpreendentes surgiram desde o início da plataforma em 2017. Uma delas é a comunidade “WitchTok”. Vídeos rotulados como #WitchTok até agora registraram impressionantes 18,7 bilhões de visualizações.

Eu acidentalmente encontrei o WitchTok porque – para minha vergonha, admito – achei calmante assistir a compilações de vídeos do Cottagecore TikTok nos meus intervalos durante a pesquisa de doutorado. Cottagecore é uma estética popular de moda e estilo de vida que evoca o idílio bucólico da vida no campo. Os vídeos do Cottagecore são açucarados e seguros: a geleia é preservada, os cogumelos são colhidos e os vestidos esvoaçantes correm pelos campos maduros enquanto uma namorada segura a câmera e uma música suave toca.

Em suma, é puro escapismo, assim como WitchTok; criadores de WitchToks geralmente também fazem vídeos de Cottagecore. No entanto, onde Cottagecore oferece esperança para um mundo bom e verde que pode ser cozido e plantado, WitchTok audaciosamente pula os limites da possibilidade e promete meios sobrenaturais de tornar a vida mais suportável.

A abundância de magia no TikTok despertou meu interesse, representando uma nova fronteira na crença popular. Também chamou a atenção da grande mídia. Em abril de 2021, por exemplo, o Financial Times consultou antropólogos e teólogos que se esforçaram para interpretar essa estranha mudança de eventos. Seu autor observou com espanto que #WitchTok ultrapassou #Biden em mais de 2 bilhões de visualizações e agora está liderando em cerca de 6 bilhões e contando.

Magia prática

O TikTok permite que seus usuários façam videoclipes de 15 segundos ou uma sequência de clipes de 15 segundos com no máximo 60 segundos no total. Esse formato se presta a conteúdo rápido e visualmente atraente, e isso moldou o tipo de mágica encontrada no WitchTok. Feitiços usando velas, garrafas, cristais e ervas criam tutoriais rápidos e sucintos que podem ser facilmente imitados pelo espectador. O Blog O esotérico detalha outras coisas curiosidades e coisas importantes, veja a seguir https://oesoterico.com.br/blog/

Fonte de Reprodução: Getty Imagem

Os WitchToks interativos são particularmente populares, geralmente usando cartas de tarô ou placas de pêndulo, onde um cristal é pendurado sobre um conjunto de palavras, supostamente oscilando sobre a verdade quando uma pergunta simples é feita. Ao exortar o espectador a participar, a “pensar em uma pergunta para a qual você deseja uma resposta”, os criadores estão jogando visivelmente o algoritmo do TikTok, mantendo as pessoas assistindo e incentivando o engajamento, enquanto afirmam que foi o poder sobrenatural que os atraiu para um vídeo.

A brevidade é a alma do WitchTok, onde os spreads complexos de tarô são abandonados por uma mensagem de uma ou três cartas ditas a uma audiência de milhões em 30 segundos. Esculpir um símbolo mágico em uma vela ofusca a magia ritual complicada e cara de sistemas esotéricos mais formais e estruturados, onde um único feitiço pode levar um dia ou mais.

O que, então, os usuários do TikTok estão procurando em seus clipes mágicos de 60 segundos ou menos? As funções mais comuns de um feitiço parecem ser amor, dinheiro, cura ou vingança, particularmente vingança em nome de um ente querido, seja injustiçado por um valentão da escola ou marido abusivo. A magia atrai porque a vida é injusta e o poder é uma fantasia agradável. A este respeito, WitchTok não é diferente de qualquer outra tradição mágica.

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Ocultismo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.